home /

ARTIGOS

Artes de Guerra, um patrimônio imensurável

Por: Pedro Victor - 27/03/2014
artigo
Segundo o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, o IPHAN, o patrimônio cultural pode ser de duas naturezas: material e imaterial. Enquanto o patrimônio cultural material compreende objetos palpáveis como construções, esculturas, pinturas, fotografias e filmes, o patrimônio cultural imaterial representa as tradições, expressões culturais e conhecimentos ancestrais de determinado grupo. Ao observarmos por esse prisma, percebemos que atualmente a função das artes marciais tradicionais ultrapassa o âmbito do combate e se tornam um patrimônio cultural imaterial da humanidade.
 
Apesar de seu caráter de “arte de guerra”, o jutsu é um patrimônio cultural. Ao se analisar os aspectos que transcendem a técnica, percebe-se que as artes de guerra possuem indícios do contexto em que eram estudadas e da realidade local, algo percebido nitidamente ao analisarmos certas técnicas e métodos em especial. Ao observarmos o método “Suiden”, de koppojutsu, veremos uma possível interpretação de um local alagado, em que o praticante tem sua movimentação parcialmente comprometida.
 
Além de retratar o contexto, as artes tradicionais retratam as diversas diferenças culturais entre os mesmos povos. Ao considerarmos um período em que não havia órgão moderador para estabelecer regras entre os praticantes de artes marciais, as diferenças entre as escolas de uma mesma arte marcial retratavam a infinidade de tradições e culturas de um mesmo período.
 
Assim, percebe-se que as artes marciais tradicionais são de fato uma manifestação cultural que transcende o âmbito técnico. Apesar de não vivermos um contexto de guerra, como o contexto em que estas artes foram criadas, vejo que a prática destas artes é algo que deve se manter, pois o desaparecimento destas artes seria uma perda imensurável para o patrimônio cultural da humanidade.
 
 
Bibliografia:
 
 
http://pt.wikipedia.org/wiki/Patrim%C3%B4nio_cultural_imaterial
 
http://www.brasil.gov.br/cultura/2009/10/material-e-imaterial
VOLTAR PARA ARTIGOS