home /

COLUNAS

Dos Caminhos Incertos

Por: Rafael Ferreira - 19/03/2014

Hoje parei por uns minutos e resolvi olhar para trás. Desde o início de minha jornada fora da casa de meus pais até então. As escolhas profissionais e pessoais tem pesos relativamente semelhantes, mas tudo depende do momento. Momento este que se torna o foco de tantas questões, buscas, dúvidas e até mesmo crises de ansiedade pelo simples fato de querermos uma resposta.

A forma com que vemos o mundo, com influências ocidentais, nos deixa menos pacientes e mais exigentes para com o que deve ser feito ou trazido como resultado no destino. Digo isso, pois tenho amigos que sofrem por não saberem o que fazer exatamente da vida, outros que sonham com uma resposta do chefe ou que anseiam, quase agonizantes, pelo resultado de um exame. É fato que para cada um haverá um impacto diferente de acordo com a própria experiência que carrega da vida, mas seria necessário sofrermos tanto para buscar algo que não depende de nós?

As escolhas que fiz ao longo dos anos refletem o atual momento de minha vida. Boas ou ruins, elas trouxeram frutos e ainda trazem, mesmo que já tenham sido esquecidas por minha mente caduca ao longo da jornada. Todavia, em algum momento eu deixei de pensar no que elas poderiam me trazer e assim caminhei sem perceber que caminhava.

Se houvesse mais maturidade em compreender o que acontecia e até mesmo hoje me falta esta maturidade, pois não falta vezes em que o coração pulsa acelerado ou a mente se queixa da exaustão movida pelas preocupações, seria possível vislumbrar além da imensa cortina de fumaça que é erguida pelos sentimentos.

Durante os estudos de Kenjutsu (arte da espada), nosso Shidoshi sempre procurou mostrar o outro lado da espada: o estratégico; e me recordei de quantas vezes pude olhar de longe uma vasta montanha imaginária, onde encontrava todos os caminhos possíveis, mas até então apenas intangíveis. O "too yama no metsuke" (em tradução livre, olhar a montanha ao longe) é um exercício em que o estudante deve fixar o olhar, enxergar tudo que for possível e ainda perceber toda a movimentação a sua volta. Não é fácil, muito menos impossível, basta ter paciência, aquela velha palavrinha que esquecemos de oferecer tanto para o outro quanto para nós.

Existe correlação entre a prática nos caminhos da espada e na vida? Gosto de pensar que sim, até para facilitar a compreensão de ambos os caminhos. Quando se estudam as formas livres em Kenjutsu, os olhos se tornam sorrateiros e acabam prejudicando o posicionamento do estudante durante a prática. Erra-se, confunde-se, perde-se o prumo e daí, o eixo vai embora em dois tempos ou menos. Os detalhes estão ali, mas os olhos não conseguem notá-los por estarem furtivos e embaralhando os pensamentos que turvam o raciocínio. Agora paremos, não é dessa forma que você se sente quando as frustrações da vida lhe pregam uma peça?

É desse jeito também que geralmente nos sentimentos quando precisamos fazer uma escolha. Bendita seja ela que nos faz avançar ou mesmo recuar e que toda forma, oferece ainda uma oportunidade de crescimento. Quando olho as infinitas montanhas que as vistas me levam, sempre me pergunto, como a vida pode ser tão bonita e ao mesmo tempo tão cheia de percalços? Uns plantados por nós mesmos e outros que estão ali.

A vida está equilibrada em coisas boas e ruins e caminhamos tortamente nestas duas possibilidades. O que me faz pensar inclusive que é uma característica para alcançarmos uma vida boa. O filósofo grego Aristóteles busca no meio termo a possibilidade de ter uma vida boa dentro da sociedade. “A prudência e a sensatez se encontrariam no meio-termo, ou medida justa”, onde a pessoa teria a possibilidade de ser educada e avançar nos bons caminhos oferecidos ao longo dos anos.

Referências: 
FERRARI, Márcio. Aristóteles. [on-line] Disponível na Internet via WWW. URL: http://educarparacrescer.abril.com.br/aprendizagem/aristoteles-307025.shtml. 08 de março de 2014.

AUGUSTO, Jordan. Metsuke - o início da técnica. [on-line] Disponível na Internet via WWW. URL: http://www.bugei.com.br/ensaios/index.asp?show=ensaio&id=73. 08 de março de 2014. 

AUGUSTO, Jordan. Iaijutsu: As linhas paralelas ao Metsuke! [on-line] Disponível na Internet via WWW. URL: http://www.bugei.com.br/news/index.asp?id=3742. 08 de março de 2014. 

 

VOLTAR PARA COLUNISTAS